• E-Mail : amico.natal@yahoo.com.br

Cardiopatia Congênita


A cardiopatia congênita é uma alteração na estrutura do coração, presente antes mesmo do nascimento. É um termo genérico utilizado para descrever alterações do coração e dos grandes vasos, presentes ao nascimento.

Essas alterações ocorrem enquanto o feto está se desenvolvendo no útero – nas oito primeiras semanas – e pode afetar cerca de 1 em cada 100 crianças, segundo dados da American Heart Association. É a alteração congênita mais comum e uma das principais causas de óbito relacionados a malformações congênitas.

Segundo dados da sociedade brasileira de cardiologia, no Brasil nascem cerca de 23 mil crianças com problemas cardíacos. Dessas em torno de 80% vão precisar de alguma cirurgia cardíaca durante a sua evolução.

As cardiopatias podem produzir sintomas no nascimento, durante a infância, ou estão só na idade adulta. Em alguns casos, a cardiopatia congênita não causa sintomas.

Teste do Coraçãozinho


O teste do coraçãozinho pode salvar a vida de bebês que nascem com defeitos cardíacos. Trata-se de uma ferramenta de triagem neonatal para detectar Cardiopatias Congênitas Complexas, medindo a concentração de oxigênio no sangue e que detecta os problemas antes mesmo de aparecerem sintomas.

O exame é feito por meio de uma fita, de oximetria de pulso, e leva menos de 5 minutos.

O Teste do Coraçãozinho ou oximetria de pulso deve ser realizada após as primeiras 24 horas de vida, e antes da alta hospitalar, utilizando um oxímetro.

Alguns hospitais no Brasil já realizam esse teste. Peça para o seu médico a realização da triagem neonatal completa com os testes do pezinho, orelhinha, olhinho e coraçãozinho.

Dr. Raimundo Amorim Júnior

No Rio Grande do Norte

A AMICO vem lutando para que os parlamentares do RN proponham Projetos de Lei que disponham sobre a obrigatoriedade do Teste do Coraçãozinho em todos os recém-nascidos.

Como resultado desta luta, com autoria da vereadora Julia Arruda, tornou-se obrigatória a realização do exame de Oximetria de Pulso em todos os recém-nascidos atendidos nos hospitais de Natal.

LEI N.º 6.636 Mais detalhes